Education launches technology insertion project for pedagogical use and management in state schools

The Education area has witnessed and carried out a sudden change in its modus operandi: on the one hand, it saw Distance Education change the course of higher education in Brazil, with thousands of students seeing in the modality a viable alternative for their formation, linked to a market expansion that is growing exponentially. On the other hand, the area resists bravely the implementation of technologies of the teaching-learning process, with a discourse that distorts practice. In the midst of all this, an industry eager to sell technological devices and win more and more students undermines the area, offering solutions to nonexistent problems that only frustrates learners and educators.

Image result for educação digital

While the clash between discourse and practice is consolidated in education,
we have lost the possibility of advancing and setting pressing discussions for the rickety Brazilian education. In a survey conducted by the British consultancy Economist Intelligence Unit (EIU), Brazil ranked second among 40 countries. In gritty lands, the IRDEB index is alarming, although we have become accustomed to averages of disapproval, stamped in the entrances of schools and in the departments of Education. Discussing the teaching-learning process seems to be obsolete, since educational culture, based on a copyist model, does not find a better method for copying, nor does it have criticality, common sense and competence to seek solutions to its own problems. Before untying the knot in which we find ourselves, it is more convenient to blame or cling to such magical solutions to distribute computers, to place an interactive whiteboard in the classroom, or to place a camera to identify students who arrive or leave school.

Image result for educação digital

The more modern notions of education point to some key issues, which in themselves would change the perspective of learning. These discussions unfortunately go beyond the themes debated by the area, in its congresses and the like. Let’s look at some points of interest.

One does not learn to do, in the outdated conception of which the school prepares for the life, although professional. School is life, and we learn by doing, changing the reality that surrounds us. The stages are a small sample of how the insertion in the productive universe, throughout the formation, results in improvement of quality. While some institutions want to bring the students to their classrooms, others want to show the world to students, seeking to solve real problems, as it happens in several foreign institutions that provoke their students in humanitarian and social actions.

Related image

Classroom is a concept, not a local. This thought implies, although there is no synonymy, with the peripatetic school of Aristotle. If in Greece the method included walking, the modern notion of the classroom implies that every place is capable of being a space for learning. Rather than bringing the student to school, the option of taking the student to the world has proved more effective, with better involvement of the learner in his own learning.

The city is a great laboratory. If in the 1990s the schools ran to have their laboratories, and shortly after they did not know what to do with them, we now know that the city is a great laboratory capable of providing the structure and pedagogical resources for various activities.

The teacher is not in control, never, in fact, was. Classroom presentism is a problem that unfolds, culminating in school dropout. The lack of meaning not only of what is taught, but of the way it is, is disturbing. The distance that the programmatic content establishes with the student world seems to be similar to the distance that the school establishes with the community, with society. The revision of this reality is pressing.

The use of technological devices should be in line with teaching-learning practices that privilege skills and competencies, taking the world as a perspective of action. Before discussing what technological device to use in the classroom, we will have to discuss, with the necessary criticality, what type of school we want. It is, therefore, to discuss educational technologies.

More than 28 thousand students from the municipal and state networks of Cachoeira do Sul and Santa Maria will benefit from a project to insert technology for pedagogical and management use. It is the Education Gaúcha Conectada project, a partnership between the State Department of Education and the National Bank for Economic and Social Development (BNDES), which will benefit 73 schools, directly serving 28,000 students and 2,900 teachers. The project launch event will be held this Friday, March 29, in the Hall of Acts of the Santa Maria Marist College (Rua Floriano Peixoto 1217, Centro) in Santa Maria. State Secretary for Education, Faisal Karam, Mayor of Cachoeira do Sul, Sergio Ghignatti, the mayor of Santa Maria, Jorge Pozzobon, the manager of the Department of Education and Culture of BNDES, Conrado Leiras, the Foundation’s Projects coordinator Lemann, Daniela Caldeirinha, Training Specialist at Fundação Itaú Social, Cláudia Petri and the director-president of the Innovation Center for Brazilian Education (CIEB), Lúcia Dellagnelo.

Related image

The project Education Gaúcha Conectada, with investments of R $ 3.1 million, aims to qualify the process of building students’ knowledge, based on methodologies that privilege the use of technologies in the pedagogical process. “These are investments that will help us to work with real situations we face, such as school dropout, student approval, age-grade distortion, among others,” explains Karam. According to Leiras, the project is part of a BNDES initiative that consists of supporting projects of states and municipalities in different regions of the country and should contribute to accelerate the implementation of the MEC’s ​​Connected Education Innovation Program.

The deadline for the complete implementation of the project is December 2020. Until then, four dimensions will be worked out. With the teachers, the proposal is to promote public policies that provide the integration of digital information and communication technologies in the practices, in line with the Gaúcha Curriculum Base; training and instrumentalization to carry out pedagogical activities that encourage a methodological change, encouraging the construction of knowledge and the protagonism of the students; acquisition of mobile devices (notebooks), educational robotics kits and specific furniture that can be used in classrooms and other learning spaces. The Program has support from the Lemann Foundation and Itaú Social, and technical support from the CIEB.

Related image

The fact that science education must be an integral part of curricula from the earliest years of primary education is known to all and is expressed in the National Education and Guidelines Law – LDBEN of December 20, 1996 – Law N. 9394/96. According to what is presented in article 26, first paragraph, it is stated that: “The curricula to which the caput refers must necessarily include the study of Portuguese language and mathematics, knowledge of the physical and natural world and social reality and “The National Curricular Parameters – PCNs, for this level of schooling, in turn, emphasize the importance of teaching science from the initial stages of schooling by mentioning that” [t] he is not just about to teach to read and to write so that the students can learn Sciences, but also to make use of Sciences so that the students can learn to read and to write “(BRASIL, 1997).

However, the defense by this teaching does not represent something new in the country, being able to be identified in the speech of Rui Barbosa at the end of century XIX. Under the influence of the positivist school, it infers the inclusion in basic education of fundamental science content (Mathematics, Astronomy, Physics, Chemistry, Biology and Sociology), as a way of leveraging the formation of scientists and to bring science closer to young people (ROSA, ROSA, 2012).

Image result for educação digital

As a result of this legal necessity, referring to the presence of science content in the initial years, many problems have been presented to those who should operationalize this teaching in the school context. Regarding teachers, the studies indicate that their difficulties in addressing these contents have been an obstacle to their consolidation in this stage of schooling, as evidenced by Rosa, Perez and Drum (2007). According to the authors, one of the biggest problems lies in the insecurity of the teacher in relation to the set of knowledge in Sciences. The study, which can be considered as a show in relation to the problem of science teaching in the initial years, is based on the speech of the teachers who work in this stage of schooling, and denotes the fragility of their training process in the area. According to the interviewees, contents such as Physics, for example, are not addressed in the training courses and they end up resorting to the knowledge coming from their training process in basic education to subsidize their classes.

The authors’ conclusions are corroborated by other studies that highlight the difficulties faced by teachers in addressing physics and chemistry contents in the initial years (LORENZETTI, 2000; RAMOS; ROSA, 2008; COLOMBO et al., 2012). This identification points to another aspect that may also be influencing the presence of the contents of science in this level of schooling: do the teachers who work in the initial years consider the presence of these contents important? What are the understandings of these teachers about the need to contemplate such contents?

Image result for educação digital

And, more specifically, the question that is intended to be discussed in this text arises and that is within the scope of the understanding of the teachers of the initial years on the teaching of Sciences as a possibility of scientific literacy: what the teachers’ understanding about scientific literacy and how they think contemplates in her pedagogical practice in science?
The importance of discussing science teaching in the early years, based on the scientific literacy approach, lies in the fact that, as announced in the National Curriculum Parameters – PCNs (1997) for elementary education – cycles 1 and 2, the teaching of Sciences must be geared towards the integral formation of the human being and in this includes its scientific literacy.

The announcement is in line with what has been advocated by authors such as Lorenzetti (2000), Chassot (2000), Carvalho and Sasseron (2008), among others, in inferring the need for science education to focus on issues in society and contribute to the scientific literacy of the subjects.

Related image

This identification, embodied in previous research, defines as the main objective of the study to investigate the teachers’ understanding of the initial years on scientific literacy and to map the way they think about it in science classes.

In order to reach the objective of this study and answer the central question, a qualitative and exploratory research based on the analysis of the speech of teachers who work in the initial years is structured. For the analysis of the data, we seek a dialogue with the specialized literature and the understanding of Sasseron and Carvalho (2008) on scientific literacy.

TECNOLOGIA AO SERVIÇO DA EDUCAÇÃO

O uso da tecnologia na educação das crianças e o papel crucial dos pais
Ver uma criança interagir com dispositivos tecnológicos tcc, monografias, monografias prontas, dissertação de mestrado e tese de doutorado parece uma situação comum; mesmo, a facilidade com que eles os usam e como eles operam no ecossistema digital atrai nossa atenção, pois eles têm a capacidade de pegar um smartphone ou tablet e consumir todo tipo de conteúdo, muitas vezes, sem a orientação de outra pessoa. .

Resultado de imagem para tecnologia na educação

Na Colômbia, milhares de crianças têm a possibilidade de se conectar à rede. De acordo com a Pesquisa Nacional de Qualidade de Vida (ECV) 2017, a conexão à Internet passou de 45,8% em 2016 para 50,0% em 2017. Por sua vez, 44,3% dos domicílios disseram ter algum tipo de computador (computador de mesa, laptop ou tablet). É por isso que é importante que os pais conheçam e compreendam os benefícios e riscos que as crianças podem ter ao usar a tecnologia em seus processos educacionais.

Resultado de imagem para tecnologia na educação

“É importante que, quando uma criança faz uso de dispositivos, os pais definam os tempos de conexão e garantam um acompanhamento. Existem aplicativos ou jogos que ajudam a fortalecer as habilidades educacionais, para que a tecnologia se torne uma aliada ”, diz Leonardo González, gerente de relações públicas da Samsung

Tecnologia em processos educacionais

Atualmente, as novas gerações precisam articular tecnologia e educação para motivar a exploração, investigação e acesso a informações que podem ser cruciais para o processo de desenvolvimento. Portanto, ter uma intervenção saudável de pais e professores, baseada na comunicação e no ensino, é o que precisa receber atenção especial no desenvolvimento de atividades que incorporem o uso de plataformas inovadoras.

O desafio atual é capacitar os jovens a despertar sua criatividade e se apaixonar por sua educação e crescimento, o que cria um desafio para pais e educadores, pois é necessário que, através do uso responsável e consciente da tecnologia, incentivar o interesse dos menores de aprender de maneira conectada, respeitando e dando igual importância aos momentos de desconexão.

“É importante vincular as diferentes habilidades que você deseja desenvolver a perguntas e preocupações que geram essa curiosidade em crianças, com exemplos da vida real, para associá-las a um conteúdo digital específico. As crianças que interagem com a tecnologia de maneira moderada apresentam resultados acadêmicos positivos ”, tcc, monografias, monografias prontas, dissertação de mestrado e tese de doutorado acrescenta Leonardo González.

Equilíbrio entre online e offline

À medida que as crianças passam mais tempo conectadas, mais aumenta a sensação de solidão. Por esse motivo, é importante que as crianças aproveitem o tempo em outras atividades, sejam recreativas ou físicas, e que não envolvam o uso de equipamentos e ferramentas tecnológicas para despertar sua curiosidade, desenvolver suas habilidades e, acima de tudo, aprender a interagir com outras crianças e / ou adultos em um cenário não virtual.

A educação tecnológica é uma das inovações das reformas educacionais, que tenta desenvolver um modelo de pensamento que relacione “pensar” a “fazer”, da pré-escola à mídia diversificada; alcançar capacidades práticas que permitam resolver problemas complexos, com efeitos concretos na realidade.

A Educação Tecnológica foi implementada na Espanha, Grã-Bretanha e, mais recentemente, nos Estados Unidos, como uma área destinada a todos os estudantes e não apenas àqueles que continuarão suas carreiras técnicas. Argentina e Chile são os primeiros países da América Latina a incorporar educação tecnológica; posteriormente Bolívia e Colômbia continuaram nesse processo. A abordagem da educação tecnológica em cada uma delas se baseou nas características de cada caso, contexto, experiência e trajetória pedagógica. No entanto, eles concordaram com os objetivos perseguidos: fornecer treinamento abrangente aos estudantes. Em nenhum caso se pretende a preparação para uma ocupação específica, mas desenvolver uma cultura tecnológica e fornecer aos alunos as ferramentas para entender o ambiente artificial que os rodeia.

Na Venezuela, a Reforma Educacional das etapas I e II da Educação Básica (EB) de 1996, integra a tecnologia em uma área chamada Ciências da Natureza e Tecnologia que busca contribuir para [Ministério da Educação (ME)., 1999] :

• Conhecer as mudanças e interações do mundo sociocultural.
• A aquisição de conhecimento relevante, que conecta o que é aprendido na escola com o ambiente da criança.
• Buscar soluções lógicas para problemas e uma óptica, a partir da qual os avanços na ciência e na tecnologia são observados, com base em valores reais.
• Desenvolver pensamento lógico, criativo e reflexivo.
• Transformar a vida humana, gerando mudanças sociais.
• Alertar sobre as alterações que o uso impensado da tecnologia produz no equilíbrio ecológico.
• Promover a formação e prática de atitudes flexíveis, críticas e tolerantes.
• Prepare o aluno para enfrentar as constantes mudanças e desafios que ocorrem na sociedade e que exigem sua participação.

Resultado de imagem para tecnologia na educação

No Currículo Nacional Básico, o conteúdo tcc, monografias, monografias prontas, dissertação de mestrado e tese de doutorado das Ciências da Natureza e Tecnologia, na etapa I, é agrupado em quatro blocos: espaço, tempo e movimento; seres vivos; Sol, Terra e Lua; e comida No II Estágio Básico são propostos quatro blocos que são mencionados: a Terra e o universo, seres vivos, saúde integral, tecnologia e criatividade. O ponto de partida é que as crianças são usuários e consumidores de tecnologia, mas também são capazes de produzir soluções para problemas relacionados a ela. O papel do sistema educacional venezuelano é garantir que os alunos sejam consumidores e usuários críticos de tecnologias e que eles valorizem sua própria capacidade de gerar soluções para determinadas necessidades que, nesse nível, serão enquadradas em seus contextos mais próximos (M.E., 1999).

Até o momento, não há uma proposta oficial de Educação Tecnológica na Venezuela para a III Etapa de E.B. Somente Fe y Alegría, Movimento de Educação Popular, incorporou a tecnologia ao currículo das III etapas, por oito anos na Zona Los Andes (Táchira, Mérida, Trujillo, Alto Apure e Sur del Lago) (Ramírez, 2000 )

  1. Técnica, ciência e tecnologia

Tecnologia é um termo polissêmico com múltiplos significados. Mesmo em linguagem comum, pode ser trocado pelos termos técnico e científico. Também é sinônimo de máquinas, invenções ou objetos modernos que cercam o homem. É por isso que é pertinente fazer a pergunta: que tecnologia é essa? As mesmas respostas exigem ciência e tecnologia.

A técnica é o (s) procedimento (s) praticado (s) ao realizar tcc, monografias, monografias prontas, dissertação de mestrado e tese de doutorado uma atividade que visa obter um resultado específico no campo da ciência, tecnologia ou artesanato (construir um objeto, fazer uma medição ou análise, realizar uma tocar piano, fazer uma venda, nadar, entre outros), bem como a habilidade ou habilidade revelada quando uma atividade é executada. Esses procedimentos não excluem a criatividade como um fator importante da técnica [Ministério da Educação, Ciência e Tecnologia (MECyT), 1998].

A ciência é entendida como o conjunto de ações voltadas para o conhecimento da natureza das coisas. Tecnologia é a aplicação de conhecimentos, procedimentos, habilidades e atitudes para produzir bens e serviços. É um conhecimento prático e interdisciplinar desenvolvido por meio de uma relação teórico-prática que permite o design e o uso de objetos e instrumentos tecnológicos na produção de bens e serviços, a fim de responder aos problemas do mundo de hoje (Fe y Alegría, 2000).

Segundo Rodríguez (1998), o conhecimento envolvido em técnica e tecnologia é diferente. No caso da técnica, o eixo é a experiência anterior acumulada, alcançada através de sucessos e fracassos, experiência que não pode ser comunicada oralmente ou por escrito, mas através da própria atividade.

Segundo Basalla (1991), embora a ciência e a tecnologia desenvolvam processos cognitivos, o resultado final não é o mesmo. A ciência geralmente toma forma em uma formulação escrita, um artigo científico, que anuncia uma descoberta experimental ou uma nova posição teórica. Em troca, o produto final da atividade tecnológica inovadora é tipicamente um elemento que continua a integrar o mundo artificial: um martelo, um relógio, um motor elétrico.

Imagem relacionada

Estudos de caso

Um caso é a descrição de um evento passado que descreve uma situação complexa real. Eles representam situações complexas da vida, apresentadas de maneira narrativa, com base em dados que provam ser essenciais para o processo de análise. Eles constituem uma boa oportunidade para os alunos colocarem em prática as habilidades necessárias na vida: observação, escuta, diagnóstico, tomada de decisão e participação em processos de grupo orientados para a colaboração. O estudo de um caso exige essencialmente um processo de discussão em grupo sob uma abordagem cooperativa. As discussões refletem a maneira pela qual, na maioria das vezes, as pessoas tomam decisões em situações da vida real.

Os alunos também adquirem habilidades de análise fundamentando suas propostas de solução e resolvendo problemas com base nas situações apresentadas no caso tcc, monografias, monografias prontas, dissertação de mestrado e tese de doutorado. Em Educação Tecnológica, o estudo de caso é um método cujas principais características são a análise exaustiva de um episódio específico de inovação tecnológica e a dinâmica da mudança tecnológica, levando em consideração o número máximo de variáveis ​​envolvidas (Baigorri, 1997).

Educação tecnológica a partir da abordagem da Ciência, Tecnologia e Sociedade (CTS)

A abordagem CTS baseia sua justificativa de que a educação tecnológica deve contribuir para a modificação da percepção tradicional de tecnologia e ciência, formando cidadãos que os consideram em seu caráter histórico e social e partem daí para explicar sua existência Seu objetivo é considerar a natureza social do conhecimento tecnológico e suas consequências, do ponto de vista social, econômico e ambiental. Na abordagem CTS, as atividades são desenvolvidas sob várias estratégias. Uma delas é a das “comunidades solidárias de pesquisa”, em que a sala de aula é um espaço educacional no qual a cooperação para a aprendizagem é essencial. As equipes de trabalho são organizadas para cada tópico em diferentes campos, conforme descrito abaixo (Martin, 2002):

• Equipe de pesquisa empírica: para cada tópico são criados dois grupos de pesquisa empírica. São aqueles que tentam sentir a realidade cotidiana, obtêm informações, preparam pesquisas, conduzem entrevistas ou realizam estudos de campo focados nos fatos e nas opiniões que têm a ver com o tópico a ser desenvolvido. Eles conectam a classe com instituições comunitárias que têm algo a ver com o que está sendo tratado.

• Equipe de pesquisa conceitual: este grupo busca as informações do sujeito depositado nos livros.

• Equipe de pesquisa criativa: este grupo possui o componente criativo, construtivo ou expressivo. Em questões tecnológicas, a maioria das idéias não é produto de reflexão ou análise a frio; eles têm a ver com os romances ou quadrinhos que foram lidos, os filmes que foram vistos, entre outros. Os alunos devem estar disponíveis para usar e investigar com esses meios expressivos. Protótipos de objetos ou sistemas tecnológicos também podem ser construídos.

• Equipe de coordenação: essa equipe é responsável por garantir que o trabalho de todas as outras equipes seja consistente e possa ser compartilhado adequadamente por todos. A coordenação pressupõe o sucesso de uma empresa de pesquisa na qual seus parceiros embarcam e pelos quais, em grande parte, eles são responsáveis. Eles preparam, coordenam e preparam as atas do debate e a entrega dos relatórios preparados pelos outros grupos.

O trabalho de cada equipe termina com uma exposição pública. Em cada disciplina, os alunos trabalham em equipe os quatro tipos de procedimentos descritos. Ao passar para outro tópico, cada aluno não repete o procedimento anterior, mas cada equipe muda de função.

  1. A título de conclusão

Hoje, no novo milênio, é necessária uma pessoa capaz de entender, assimilar e viver os avanços científicos e tecnológicos, sabendo que os avanços são inumeráveis, mas também os riscos que muitos deles representam tcc, monografias, monografias prontas, dissertação de mestrado e tese de doutorado. Esse desenvolvimento marcou um novo estilo de vida, novas abordagens, diferentes paradigmas; portanto, é muito importante ter uma atitude crítica sobre esses cenários e, ao mesmo tempo, ter critérios e conhecimentos para assumir uma posição diante deles. Na América Latina, as diferenças econômicas e culturais são evidentes e, agora, aquelas relacionadas ao que foi chamado, também são acrescentadas a relação com a modernidade, em particular no campo científico-tecnológico (Sutz, 1998). Contra isso, fica claro que o problema não é apostar em mais ciência ou tecnologia ou ficar de fora deles. É necessário gerar capacidades reais em nossas sociedades para assumir essa realidade e se apropriar criticamente dela.

As mudanças na educação são sempre mais lentas, talvez a razão pela qual o treinamento em tecnologia tenha esquecido os currículos até alguns anos atrás, quando as reformas educacionais começaram a incluí-lo timidamente. Ainda existem muitas perguntas e dúvidas sobre esse assunto. No entanto, é necessária a incorporação da Educação Tecnológica para que as pessoas entendam melhor o mundo em que vivemos, adquirindo uma cultura tecnológica.

Significa entender o fenômeno tecnológico e, ao mesmo tempo, alcançar nos alunos o desenvolvimento de pensamento crítico, criatividade, habilidades e competências que lhes permitam encontrar respostas reais ao seu problema de subdesenvolvimento, injustiça e lacunas econômicas. Deve ser uma proposta fortemente impregnada de uma educação em valores e compromisso social, que forneça as ferramentas necessárias para assumir uma posição crítica neste mundo, com todas as implicações presentes e futuras do desenvolvimento científico e tecnológico. Em suma, cidadãos que fornecem soluções inovadoras e não simples receptores de novos conhecimentos.

A tecnologia é colocada a serviço da sociedade como a soma das atividades que convertem os ambientes educacionais. O conhecimento científico é aplicado sistematicamente ao processo de aquisição e uso da informação, alcançando a melhoria da educação em todos os seus setores.

Graças à tecnologia, o que muda não é o conteúdo da aprendizagem, mas a maneira como ela é usada, a facilidade de acesso a esse conteúdo e a velocidade com que ele pode ser consultado. Por exemplo, algo tão antigo quanto o método socrático ainda é usado, mas com conteúdos diferentes. Você pode ir do quadro para um livro multimídia, um CD, uma página da web etc.

Nos últimos tempos, por exemplo, termos como e-learning que se referem ao aprendizado com métodos eletrônicos têm aparecido, principalmente graças ao avanço da Internet e ao m-learning, o que acrescenta ao conceito o uso de dispositivos móveis. Esses tipos de conceitos já fazem parte do vocabulário cotidiano daqueles que se envolvem plenamente no uso de novas tecnologias para aprender coisas novas, expandir conhecimentos e, acima de tudo, contribuir para a evolução da qualidade da educação baseada, antes de tudo. , nas novas realidades e necessidades das partes interessadas: os estudantes.

Vejamos alguns dos tipos de aplicação da tecnologia à educação:

Fóruns eletrônicos
Eles fazem parte da ideia de colaboração como método de aprendizado e provaram ser um grande foco de atração para os usuários tcc, monografias, monografias prontas, dissertação de mestrado e tese de doutorado. Também chamado de “grupo de notícias”, os fóruns permitem a discussão entre pessoas diferentes sobre um tópico levantado.
O termo fórum nos lembra as assembléias romanas e todos os presentes podem participar para discutir um tópico específico. Seu funcionamento é baseado na livre expressão de opiniões em um clima, geralmente informal e com poucas limitações. Por esse motivo, exige algumas disposições, como não permitir que a discussão se afaste da questão central, respeitando a objetividade o máximo possível e evitando referências pessoais.
Os fóruns têm o benefício de permitir chegar a conclusões gerais com base nas opiniões que são oferecidas sobre um fato, uma atividade ou um problema. Eles fazem os participantes aumentarem seu nível de informação e ajudam a desenvolver neles um espírito colaborativo e participativo.
Atualmente, os fóruns eletrônicos são desenvolvidos na Internet e geralmente possuem um moderador que é, por sua vez, o administrador da web ou, por exemplo, na educação, o professor da matéria. No fórum, os problemas podem ser resolvidos em colaboração, sem a necessidade de se apresentar fisicamente a um ponto de encontro e de forma assíncrona. Eles funcionam perfeitamente em grupos de estudo e são amplamente utilizados em salas de aula virtuais.

Universidades virtuais
Atualmente, os sistemas de ensino superior estão em uma situação de mudança, caracterizada por novas formas (mais flexíveis do que antes) de organização. Na era pós-industrial, surgem projetos de educação a distância baseados em modelos didáticos nos quais a rede de computadores e o Campus Virtual se tornam espaços de aprendizado e troca de onde o aluno é ensinado e treinado. O modelo pedagógico desses centros tem alguns eixos claros que podemos citar:
• Materiais didáticos: os instrumentos de estudo são distribuídos progressivamente em uma ordem pré-estabelecida e os meios tecnológicos são utilizados para isso e também para sua criação. Por exemplo, se um livro for enviado, um CD com vídeos complementares será adicionado a ele.

• O apoio ao aluno é feito através de contato pessoal, porém remoto, e para a criação de espaços privados, nesta tecnologia também intervém, você pode entrar em contato com o professor por meio de bate-papos, telefone, e-mails, etc tcc, monografias, monografias prontas, dissertação de mestrado e tese de doutorado. A criação de vínculos é muito importante, apesar da presença física quase inexistente no relacionamento entre aluno e professor. Tutores e professores oferecem atenção e acompanhamento personalizados.

• No campus virtual, o aluno pode interagir com outros alunos e professores para estar atualizado sobre as tarefas de aprendizado. As informações são atualizadas corretamente e as dúvidas podem ser esclarecidas a qualquer momento. Além disso, também existem salas de aulas virtuais, espaços para colocar anúncios e acesso direto a ofertas de emprego. Alguns Campus Virtuais têm até “barras virtuais”, onde é possível compartilhar mais momentos pessoais com outros alunos e professores. Existe uma biblioteca virtual e o banco de dados é disponibilizado ao aluno no mesmo campus.

• Os alunos podem ser muito variados, diferentemente da educação universitária que costumamos imaginar. Graças à tecnologia, estudantes de qualquer parte do mundo, trabalhadores ou não, e de qualquer idade, podem acessar uma universidade virtual. A flexibilidade é um dos principais valores que a tecnologia da educação abordou.

Blogs
Outro dos pontos básicos da educação atual é a colaboração, que transforma os alunos em gerentes ativos de seu projeto de treinamento. Estes deixam de ter um papel de escuta passiva e ficam curiosos para saber. Isso pode ser visto não apenas no Campus Virtual ou nos fóruns, mas também na criação de blogs.

Atualmente, é fácil criar um blog, todos nós podemos fazê-lo gratuitamente, mas para sua manutenção, leva tempo e dedicação. Vemos como cada vez mais jovens que, apaixonados por um tópico específico, decidem criar um blog. Muitos estudantes usam essa tecnologia para compartilhar com seus colegas fatos interessantes sobre o setor de interesse, e a criação destes é cada vez mais solicitada pelos professores quando os trabalhos de final de estudo.

Outras maneiras de aprender graças à Internet
Existem muitas outras formas de educação graças à tecnologia, entre as quais gostaríamos de destacar o papel das conhecidas conversas do TED. Embora tenham nascido nos anos 80, tornaram-se conhecidos ao longo do tempo. São conferências virtuais gravadas e compartilhadas na Web e no YouTube, para que todos possamos consumi-las. 500 milhões de pessoas assistiram às palestras do TED e, com sucesso, o TEDx foi criado em 2009 para que organizadores independentes de todo o mundo pudessem realizar eventos localmente, a fim de divulgar idéias tcc, monografias, monografias prontas, dissertação de mestrado e tese de doutorado. O TED também chegou às salas de aula, onde elas funcionam muito bem como gatilhos de idéias e método de crescimento para os alunos, com o lema de que todos temos algo interessante para contar aos outros. Além disso, as palestras nas salas de aula geralmente são compartilhadas na Internet.

Outra educação infalível graças à tecnologia são os cursos de verão on-line, que oferecem uma ampla variedade de tópicos para aprender em um curto período de tempo algo novo ou aprimorar o conhecimento sobre qualquer assunto. Os programas de verão também são uma grande ajuda para melhorar o aprendizado de idiomas ou para questões de crescimento pessoal.